Blog

26/09/2014 - Orgânicos

O que é orgânico?

A legislação brasileira considera “sistema orgânico de produção (…) todo aquele em que se adotam técnicas específicas, mediante a otimização do uso dos recursos naturais e socioeconômicos disponíveis e o respeito à integridade cultural das comunidades rurais, tendo por objetivo a sustentabilidade econômica e ecológica, a maximização dos benefícios sociais, a minimização da dependência de energia não renovável, empregando (…) métodos [que se contraponham] ao uso de materiais sintéticos, a eliminação do uso de organismos geneticamente modificados e radiações ionizantes, em qualquer fase do processo de produção, processamento, armazenamento, distribuição e comercialização, e a proteção do meio ambiente” (lei 10.831 dez/2003).

Essa definição resume bem o sistema de produção orgânico, que é muito mais do que simplesmente não utilizar agrotóxicos. Além dos alimentos, sejam eles frescos ou processados, de origem vegetal ou animal, o termo “orgânico” engloba também outros produtos como cogumelos, cosméticos e até produtos de limpeza, além dos próprios insumos utilizados na agricultura e na pecuária orgânica.

Na agricultura orgânica, o uso de agrotóxicos e de fertilizantes químicos sintéticos é proibido, a preservação dos recursos naturais e a diversidade biológica são obrigatórias e os trabalhadores rurais devem ser registrados e ter boas condições de trabalho e acesso à educação.

Na produção animal, existem normas para todo tipo de criação, desde as abelhas até aves, suínos, bovinos, etc. Os animais devem ser criados livres, com acesso a pastagens, e sua alimentação deve ser no mínimo 75% proveniente de cultivo orgânico, além de não ser permitido o uso de antibióticos nem hormônios, nem carrapaticidas, inseticidas, etc., apenas medicamentos fitoterápicos e homeopáticos.

No processamento de alimentos orgânicos, não é permitido o uso de aditivos químicos em geral, como corantes, conservantes e aromatizantes sintéticos, nem de radiação.

COMO IDENTIFICAR UM PRODUTO ORGÂNICO?

certificadoPara que um produto seja asseguradamente orgânico, é necessário que a sua produção seja acompanhada por uma certificadora, que é a responsável pela autorização do uso do selo, que identifica todos os produtos orgânicos produzidos aqui no Brasil.

No entanto, quando o produtor rural faz a venda diretamente ao consumidor, em feiras, entregas em domicílio, ou em loja própria ou familiar, ele não precisa desse tipo de certificação (Lei 10831 dez/2003). Nesses casos, é possível formar uma organização composta por um grupo de produtores regionais, que deve ser cadastrada junto ao Ministério da Agricultura. Assim, são os próprios produtores os responsáveis por “fiscalizar” uns aos outros. Estas organizações são também abertas a quaisquer pessoas da sociedade que tenham interesse em participar das reuniões e assim conhecer melhor quem produz os alimentos que vão à sua mesa! Dessa forma, os próprios produtores e consumidores são responsáveis pela garantia da qualidade orgânica dos produtos.

Para saber mais sobre esta forma de certificação: http://www.prefiraorganicos.com.br/media/25091/controle_social.pdf

ORGÂNICO X HIDROPÔNICO X CONVENCIONAL: QUAIS AS DIFERENÇAS?

Digamos que as diferenças sejam… todas!

Práticas ORGÂNICO HIDROPÔNICO CONVENCIONAL
Controle de pragas e doenças

Equilíbrio do solo = plantas saudáveis = poucas pragas e doenças; quando necessário, uso de extratos naturais

A critério do produtor; alguns optam por não usar agrotóxicos, mas não existe restrição alguma

Na grande maioria das vezes, usam-se agrotóxicos, tanto preventiva como curativamente

Adubação e enriquecimento do solo

Adubos orgânicos e também minerais de origem natural (pós de rocha, cinzas de madeira, etc.), adubação verde*

Não há solo, tudo é cultivado diretamente em água com minerais dissolvidos

Adubação com fertilizantes químicos; eventualmente complementação com adubo orgânico

Resultado nos alimentos

Plantas mais bem nutridas e mais saudáveis (sistema mais parecido com a natureza) = alimentos mais nutritivos e de maior durabilidade; sem resíduos de agrotóxicos

Plantas mais frágeis e com menor durabilidade; acúmulo de nitratos** principalmente em verduras; alimento produzido de forma completamente diferente da natureza

Plantas mais frágeis, podem acumular mais água e terem menos nutrientes, apresentam resíduos de agrotóxicos

Resultados no ambiente

Maior diversidade biológica, ambiente mais equilibrado, preservação dos recursos naturais, fauna e flora; o solo é rico em vida

A água residual é potencialmente contaminante, então deve ser descartada adequadamente; uma vantagem é a economia de água

Agrotóxicos e fertilizantes químicos solúveis são potenciais contaminantes do solo e da água; é comum a erosão do solo; o solo é pobre em vida

* adubação verde: cultivo de certas espécies de plantas que têm capacidade de enriquecer o solo com matéria orgânica, nutrientes e vida (minhocas, microorganismos benéficos, etc.)

** nitratos: substâncias potencialmente cancerígenas e comumente encontradas em plantas hidropônicas, já comprovado cientificamente

Juliana Ortega Smith
Engª Agrônoma, MSc

Maurílio Eduardo da Silva
Engº Agrícola

RUA Oscar de Souza Geribelo, 253, Santa Paula (Próximo ao Kartódromo) São Carlos - SP - Tel: (16) 3116-1988 / 9 8188-5650

Segunda a Sexta das 9h às 19h e aos Sábados das 9h às 14h